Vida Literária por Marcilio Medeiros


NOVO BLOG

 

Alerta! Espaço esgotado...

Estou/estamos agora aqui no Vida Literária II.



Escrito por marciliomedeiros às 02h51
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]




JOAQUIN SOROLLA Y BASTIDA

 

reprodução

 

 O Barco Branco, de Joaquin Sorolla y Bastida

 



Escrito por marciliomedeiros às 15h01
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]




SÔNIA BRANDÃO: TRÊS POEMAS

 

DECISÃO

 

Entre morrer e não morrer

Escolhi as palavras.

 

Voam de minhas mãos

Como pássaros ou punhais.

 

 

RÉQUIEM

 

Arranquem meus olhos.

A flor está morta.

 

 

MARINHA

 

O sol semeia

o bailado

das gaivotas.

 

A valsa

suave

do mar.

 

As ondas

se alongam

na praia.

 

Paira

uma pétala

no ar.

 



Escrito por marciliomedeiros às 14h48
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]




NOTA: GOVERNO E LITERATURA EM PERNAMBUCO

Governo de Pernambuco concede autonomia à literatura

A Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe) criou uma pasta específica para a coordenação de literatura no estado. Sob a coordenação do escritor e jornalista Samarone Lima, a ação busca desenvolver políticas culturais nesse meio. De acordo com o Diário de Pernambuco, um dos primeiros atos será a criação de agentes de leitura e do selo Amigos do Livro, que premiará os melhores projetos com incentivo financeiro para aquisição de acervo.

 



Escrito por marciliomedeiros às 16h46
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]




NÓS PÓS: POESIA AO VIVO NO DIA 11.02

divulgação

Confiram a página do Nós Pós



Escrito por marciliomedeiros às 16h41
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]




NÓS PÓS: FOTOS

divulgação



Escrito por marciliomedeiros às 16h35
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]




WASSILY KANDINSKY

 

reprodução

  

Improvisação nº 6, de Wassily Kandinsky

 



Escrito por marciliomedeiros às 16h22
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]




 
 

PAUL CELAN

 

reprodução

 

 

DISTÂNCIAS

 

            Paul Celan

 

Olho no olho, no frio, 

deixa-nos também começar assim: 

juntos

deixa-nos respirar o véu 

que nos esconde um do outro, 

quando a noite se dispõe a medir 

o que ainda falta chegar 

de cada forma que ela toma 

para cada forma 

que ela a nós dois emprestou.  

 

Tradução de Claudia Cavalcanti

 



Categoria: Interseções
Escrito por marciliomedeiros às 16h20
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]




 
 

3 X 3

arquivo pessoal

 

Recital lítero-anárquico em homenagem ao Dadaísmo, realizado no Museu de Arte Aloísio Magalhães - MAMAM, Recife.

 

Foto de divulgação.

 

Da esquerda para a direita: 1. Paulo Bruscky, 2. Rosiluna, 3. Manuzé, 4. Marcilio Medeiros, 5. Eunice Duarte e 6. Sérgio Arruda (agachado)

 

1, 2 e 5, artistas plásticos; 3, 4 e 6, escritores.

 



Categoria: Vida Literária
Escrito por marciliomedeiros às 00h58
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]




CINECUFA: Inscrições Abertas



Escrito por marciliomedeiros às 23h31
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]




WASSILY KANDINSKY

 

reprodução

 

Céu Azul, de Wassily Kandinsky

 

 



Escrito por marciliomedeiros às 16h02
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]




NYDIA BONETTI

 

COLMÉIA

 

          Nydia Bonetti

 

Abelhas brancas

Raras (afeto...)

O mel mais puro

 

Favos

Suor das flores

Casas

 

Ninhos

Saliva doce

Berços

 

Nos confins da montanha

A laranjeira em flor...

 

Nichos

Brechas abertas

Tramas

 

Raias

Por onde voam

Asas

 

Abelhas brancas

Idas (veneno...)

O fel amargo

 

Cacos.

 



Escrito por marciliomedeiros às 15h58
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]




CLARICE LISPECTOR NO RECIFE

 

 

 

 

 

 

 

 

Estátua de Clarice na Praça Maciel Pinheiro, Recife

 

* Reproduções de imagens encontradas na internet.



Escrito por marciliomedeiros às 17h53
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]




WASSILY KANDINSKY

reprodução

Em Azul, de Wassily Kandinsky



Escrito por marciliomedeiros às 17h13
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]




 
 

DENISE LEVERTOV

reprodução

 

 

FALANDO À MÁGOA

 

               Denise Levertov

 

Ah, Mágoa, não te devo tratar

como um cão sem dono

que vem à porta dos fundos

pruma migalha, prum osso descarnado.

Tenho que te dar crédito.

 

Devo adular tua entrada

em casa e te oferecer

teu próprio canto,

um capacho gasto pra jazer,

teu depósito de água.

 

Tu pensas que não sei que tens vivido

sob minha soleira.

Tanto esperaste por teu lugar refeito

antes do inverno chegar. Precisas

do teu nome,

coleira, crachá. Precisas do direito

de advertir intrusos,

de considerar

tua a minha casa

e a mim tua dona

e tu minha

cachorra.

 

Tradução de Ruy Vasconcelos

 



Categoria: Interseções
Escrito por marciliomedeiros às 17h01
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


 



Meu perfil
BRASIL, Homem, Portuguese, English, Escritor

Histórico
    Categorias
      Todas as Categorias
      Interseções
      Vida Literária
      Fala, poesia!
    Outros sites
      Vida Literária por Marcilio Medeiros II
      Notícias de Cultura
      UOL - O melhor conteúdo
      Interpoética - um espaço alternativo para a poesia
      Garganta da Serpente
      Sabugi by JQ
      Djanira Silva
      Germina - Revista de Literatura
      Linaldo Guedes
      À Flor da Terra
      Correio das Artes
      Poema/Processo 1967
      Balario Porreta 1986
      Letras & Leituras
      Recalcitrante por Meg
      Carminda Pinho
      Ana Carla Vannucchi
      Nós Pós
      Conexão Maringá
      Felipe Fortuna
      Franklin Jorge
      Revista A Cigarra
      Agulha - Revista de Cultura
      Links & Sites
      eraOdito Marcelino Freire
      Frederico Barbosa
      Ovelha Pop Micheliny Verunschk
      Claudio Daniel Cantar a Pele de Lontra IV
      Amoralva Jorge Vicente
      Longitudes Nydia Bonetti
      Alexandre Melo
      Eunice Duarte
    Votação
      Dê uma nota para meu blog


    Digite seu e-mail:

    Delivered by FeedBurner

    Faça a inscrição no meu feed

    Add to Technorati Favorites


    Exibir minha página em Verso e Prosa